Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

A simplicidade de Yashira*


Yashira 


"Arrisque! O amor não é para covardes."
Roberto Shinyashiki
pensador.info

THE END OU FIM OU COMEÇO, TANTO FAZ

Caros amigos e amigas spinautas, muito obrigado pela companhia. Vi o valor da simplicidade, das coisas simples, um fiapo pendurado como arte, um fio, tudo para ela tem valor, para ela qualquer manifestação artística lhe comove. Estou falando de Yashira, um sim à simplicidade,  um não ao perfeccionismo que nos limita. Yashira fez-me atentar para a importância da simplicidade. Depois de tantas idas e vindas, no momento a sensação é a do dever cumprido. Fácil chegar aqui não foi, o perfeccionismo neurótico me consumiu e me abateu tantas vezes, me fazendo jogar fora minhas coisas simples vistas por mim, num determinado momento da história, como lixo, o que não era o caso, eram apenas coisas simples, sim, uma manifestação artística que eu mesmo não compreendi, não aceitei,  agora sei. Quantas vezes me passei do ponto, me perdi, não percebi o ponto de chegada.  O importante é que o esqueleto está pronto. Esqueleto ou esboço ou grade ou organograma, como queira denominar. Nada mais gratificante do que a perspectiva da organização do caos. Ufa, que alívio. Meu dever ao completar esta obra, sim, a ser povoada daqui prá frente, com coisas simples, quem sabe reconstituir aquilo cujo significado não vi. Falta de espaço para a arte? Sim.  E daí? Conheci Yashira. Lamento que, quando da abertura da exposição, tenha esquecido da máquina fotográfica para, ao meu modo, registrar a abertura da exposição de Yashira. Alentou-me o fato de que, no local, existiam fotógrafos e mais fotógrafos. Conversei com um deles e disse-lhe ter esquecido da minha máquina e que ele tirasse boas fotos. Ele disse que sim, e que estariam disponíveis no site do TJ. Vendo as fotos vejo que a máquina não foi capaz de captar Yashira, fazer o que né. Hoje são 6 de setembro, 30 de urano no calendário spin, de 2012. Daqui a um ano o 2012 será substituído por 2013.Se esta atualização não ocorrer até 2014 o spin, autor e/ou obra, morreu ou aprisionou-se. Caso ocorra furto ou bloqueio desta obra, a mesma será reconstituída, novamente, a partir do primeiro e, ao mesmo tempo, último nome ou olho ou ser, o INTEGRAL PERFEITO

* Yashira, artista plástica que, segundo ela mesmo diz, não está na internet, pois sua internet é cósmica, ela não é deste mundo, afirmou

Simplicidade...Qualquer forma de manifestação artística me comove, disse a artista

Saiba mais sobre Yashira

Um breve relato, contatos..
http://museugoiania.blogspot.com.br/2011/05/yashira-abre-individual-no-palacio-da.html

fotos da abertura da exposição de Yashira no TJGO

Fotos da exposição no TJGO


Expo no TJ

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Antigas Correspondências

Atualização - 27/9/12
Os escritos abaixo, q eu não sei exatamente do que se trata pois não li, até mesmo que se eu ler apago tudo, é um email enviado para aliados, os dados dos email, com endereço, data de remessa, etc, estava aqui e, num momento de faxina, apaguei. Esse meu perfeccionismo é crônico, preciso curar-me. Cura ou salvação, tanto faz.

51 em branco
.
.
.
.
.
52 Avisaram para a velha caduca e fossilizante literatura: "Cuidado com os 
idos de agosto". O destino se cumpriu e ela foi impiedosamente massacrada na 
cave do Juão Sebastião Bar na metade do fatídico mês. Isto não foi escrita 
por mim mas por José Roberto Aguilar, num texto sobre o Kaos, obra=livro de 
Jorge Mautenr,, spin escritor=músico=compositor=performer. É que acordei por 
volta de 5 horas. Eu estava dormindo. Fui acordado pela voz de Marcelino 
Freire, spin escritor, humano. Ouvi ele dizer: “eu escrevo o que vejo... sou 
urgente.... esta urgência do nordeste...” Como sou hipocondríaco, pensei:... 
eu também sofro disso.... dee urgência... por isso escrevo sem parar... 
escrevo para não deixar apenas ossos no cemitério. E sempre acho que vou 
morrer até à meia noite. Por isso escrevo com tanta ansiedade=dedicação. A 
minha consulta com o psiquiatra está marcada pra o próximo dia 5. Sofro de 
ortonomia. Como não consta esta doença nos manuais de medicina, vou 
continuar um 'não diagnosticado=identificado." Vou continuar 
carregado=impregnado sei lá de que. Às fico traumatizado com certos 
nomes=sons=presenças.
.
.