Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Aumento da intolerância em SP


Por Eduardo Guimarães, em seu blog

Da recente campanha eleitoral para presidente para cá, foi desencadeado um processo assustador de recrudescimento da intolerância em São Paulo. Assustador e inédito. Jamais se viu uma onda de preconceito, de racismo e de todo tipo de idéias fascistas como a que começou a engolfar o Estado nesse período.

Talvez o início de tudo tenha sido a onda de boatos sobre supostas opiniões da candidata Dilma Rousseff sobre o aborto. Essa suposta opinião de simpatia a medidas para descriminalizá-lo se converteu em intenção de matar “criancinhas”.





A tese de que propor descriminalização do aborto equivaleria a “matar criancinhas” foi divulgada publicamente pela mulher do candidato derrotado José Serra, como se sabe.

Apesar de não ter gerado violência, a criminalização da idéia do outro sobre uma questão de saúde pública fez preconceitos religiosos levantarem-se também em outras questões, como a homossexualidade.

Mais uma vez, o candidato José Serra deu opiniões do agrado dos movimentos religiosos fundamentalistas que tentaram impedir a eleição de Dilma por ela ter declarado ser favorável à não se processar criminalmente mulheres que praticassem aborto. O tucano disse ser contra a lei que torna crime criticar a homossexualidade.

Na noite de 31 de outubro último, ao fim do processo eleitoral, jovens de classe média alta de São Paulo passaram a publicar mensagens de ódio contra nordestinos e negros, “acusando-os” de serem “responsáveis” pela vitória da candidata do PT a presidente.

Há algumas semanas, em São Paulo, mais uma vez jovens de classe média alta, em plena avenida Paulista, perpetraram ataques em série a homossexuais e a supostos homossexuais.

O ódio forjado por dogmas religiosos se espalhou para os outros tipos de preconceitos. O discurso racista, homofóbico e fundamentalista cristão saiu da obscuridade das rodinhas das festas dos mais bem aquinhoados dos bairros nobres de São Paulo para as ruas dessas regiões da capital paulista.

Do mais pobre ao mais rico, dos jovens aos mais maduros, nota-se um rancor generalizado contra tudo aquilo que representa o que boa parte do povo do Estado economicamente mais desenvolvido – e socialmente mais injusto – da federação acredita serem “valores” da “família”.

Política e religião aliaram-se ao ódio racial e cultural. Prolifera uma crença doentia em um absurdo “direito de opinião” que consiste, no entender dessa corrente de pensamento, em insultar, ameaçar a até agredir os que achem que infringem tais dogmas fundamentalistas.

No último fim de semana, na mesma avenida Paulista, aconteceu de novo. Ao saírem de uma danceteria gay, dois jovens foram espancados violentamente por estarem de mãos dadas. Os agressores também eram jovens de classe média. E o que é pior: havia duas garotas no grupo.

Na imprensa paulista, continuam os incentivos a esse tipo de ódio de parte da população local. Carta de leitor publicada hoje pelo jornal Folha de São Paulo situa-se no limite tênue entre o direito de opinião e o crime de racismo. Por penoso que seja, é preciso ler a nota:

Folha de São Paulo, 7 de dezembro de 2010.


Painel do Leitor

“Acredito que omeletes sejam feitos com ovos quebrados. Se não se quebram os ovos, nada de omelete.

Como se pode tratar um câncer como o do Complexo do Alemão estritamente dentro da lei?


Se resolvêssemos observar as leis, Hitler ainda estaria dando as cartas. Em guerras, ocorrem baixas, principalmente de civis.


Se foram de pardos ou negros, paciência…


Ou talvez fosse melhor mesmo deixar tudo como está?”

LUIZ CARLOS S. DE MACEDO (São Paulo, SP)

O que esse indivíduo está pregando, pura e simplesmente, é o assassinato de “pardos ou negros” e a aberta violação da lei. O jornal, ao reproduzir essa nota, torna-se co-autor de um crime. Sua conduta explica claramente o processo que ocorre em São Paulo.

Ninguém vai fazer nada. Ficará assim? A sociedade brasileira permitirá que o povo de seu Estado economicamente ainda mais relevante se converta em uma legião de débeis mentais capaz de cometer crimes hediondos como se estivesse indo à missa?

Meu comentário

Viva Silas Malafaia com seus pulinhos a la testoterona, onde já se viu um deus ser a favor da rudeza deste pastor no qual homofóbicos se inspiram para darem-se ao direito de fazer o que tem feito na Avenida Paulista.
Tenho um amigo homoafetivo que mora na Avenida Paulista e convive com um cineasta francês, eles são no mundo da arte, o francês é branco e ele é negro, um alvo bastante atraente para os ataques homfóbicos a la Silas Malafaia
Como uma igrreja que se dizer defensora do humanismo ser contra a criminalização da homofobia
Quantos gays terão que ser assassinados, espancados, humilhados, terem seu direito de ir e vir tolhidos, para que a lei anti-homofobia seja aprovada

http://www.blogcidadania.com.br/2010/12/aumento-da-intolerancia-em-sp/

Nenhum comentário: